ENSAIOS de Carlos Kaliban
TELEFONE POR FAVOR

Certa noite, ele teve um estranho sonho:

Conheceu uma linda jovem pela qual ficou completamente apaixonado. Viveu em sonho momentos apaixonados de muita intensidade. No desenrolar desses acontecimentos o cenário era um bosque de grande beleza. O verde era maravilhoso em suas infinitas variações de cores. Borboletas e flores faziam parte do cenário.

A dimensão do tempo não existia no sonho. Só a certeza de que viveram juntos, por um tempo quase infinito, sem possibilidade de ser medido.

Em um determinado instante chegou o momento de se separarem. A vida devia continuar e os afazeres cotidianos esperavam para serem realizados.

Despediram-se e trocaram telefones.

Na noite seguinte, outro sonho. Ele tentava telefonar para a jovem e não conseguia. Ou dava ocupado ou tocava e ninguém atendia.

Não tinha o seu endereço e não conseguia falar com ela.

Na noite seguinte, outro sonho: "Conseguiu completar a ligação mas ela não estava. Pediu para deixar recado".

Na outra noite o sonho continuava e ele não conseguia contato.

Em sonho, anos se passaram sem que ele conseguisse tirar a jovem da cabeça. Jamais conseguiu falar com ela novamente embora tentasse todos os dias e ela também tentasse. Era uma situação surrealista.

Certo dia, ao passear no parque da cidade viu uma jovem. Era exatamente igual a jovem do sonho. Estava sozinha e parecia esperar por alguém.

Quando se aproximou ela disse: "Estava esperando por você. Tenho sonhado contigo todas as noites. Não consigo entrar em contato contigo no número de telefone que você me deu."

Naquele dia passearam bastante, namoraram e se conheceram.

Só foram se despedir na porta da casa dela, que afinal era bem próxima do local onde ele residia. Passaram a se encontrar todos os dias. Passado algum tempo se casaram e foram morar na mesma casa.

Nenhum dos dois jamais se interessou em saber o telefone do outro. Por pura precaução.

 
 
Direitos Reservados