CRÔNICAS de Carlos Kaliban
MÃOS QUENTES

Ele tinha muitos problemas. Entre eles, um o incomodava por demais. Era a sua dificuldade de se relacionar. E o que incomodava mais ainda era a sua timidez diante das mulheres.

Vivia sozinho. Sonhava muito com um grande amor. Uma paixão daquelas que tira a gente do sério e faz com que a vida seja como o jardim do Éden. Mas, quando se deparava com uma situação onde poderia se aproximar de uma bela mulher, ele ficava imobilizado.

Certo dia, conversando com um amigo, ele revelou a sua dificuldade. O amigo aconselhou que ele procurasse um analista. Com certeza uma análise em grupo seria muito boa para ele.

Ele assim fez.

Na primeira seção foi apresentado ao grupo e logo percebeu duas lindas mulheres. Ambas despertaram nele sentimentos de desejos e uma atração muito forte. Ele percebeu que também tinha despertado nelas interesse.

Ele então pensou:

"Devo aproveitar a oportunidade. Elas com certeza estão aqui pelo mesmo motivo que eu. Estão também atrás de resolver problemas de solidão e quem sabe é esta uma grande oportunidade. Preciso, no entanto, decidir para qual das duas devo dedicar minha total atenção. Ficarei atento e aproveitarei a primeira oportunidade que surgir. Alguma coisa me dará indicação de qual será melhor para mim. Sinto-me atraído pelas duas de igual forma e preciso me decidir".

Após as apresentações o terapeuta pediu que todos formassem um círculo e dessem as mãos. Isto fazia parte de um início de contato mais próximo entre as pessoas e a formação de uma corrente simbolizando e experimentando uma união do grupo.

Com muita rapidez ele se colocou entre as duas mulheres pelas quais ele estava interessado. Segurou as suas mão e fechou os olhos segundo orientação do terapeuta. O tempo passou e ele começou a analisar os detalhes da experiência. Logo, um elemento passou a ser muito destacado. Era a sensação de calor no toque das mãos. Este parecia ser o sinal de que estava esperando. Prestou atenção e percebeu que as mãos da mulher da direita eram frias. Voltando sua atenção para a esquerda, sentiu uma agradável sensação de calor no contato das mãos. Agora não havia dúvidas. A mulher da esquerda era aquela para a qual ele deveria dedicar sua conquista. Mãos quentes revelam uma mulher quente, ávida de prazer e irradiando amor. Mãos frias não era com ele e realmente naquele momento a percepção deste fato também esfriava o seu desejo.

Outras dinâmicas de grupo foram aplicadas e no final da seção aconteceu um lanche que visava também colocar mais a vontade os participantes. Durante o lanche, o terapeuta circulou entre os membros perguntando individualmente sobre o que cada um sentiu na experiência inicial, do círculo de mãos dadas.

Nosso herói resumiu toda a sua história e informou que a experiência tinha ajudado muito na sua decisão. Ele agora estava confiante que conseguiria aprofundar o relacionamento com a mulher da esquerda. O calor de suas mãos lhe dizia que ela era a melhor opção. Quanto à mulher da direita, nem pensar, as mão frias tinha cortado qualquer possibilidade.

O terapeuta questionou então a mulher da direita. Ela também confirmou que tinha um interesse especial no rapaz e que o seu interesse tinha aumentado muito em função de suas mãos serem quentes.

Porém, a mulher da esquerda, disse ao terapeuta: - A princípio estava muito interessada no rapaz do meu lado, mas o que me fez cortar qualquer possibilidade de futuro foi o fato de que suas mãos são extremamente frias. O que mais detesto em um homem são mãos frias.

As sensações na vida quase sempre são relativas. Quando sentimos o calor vindo das mãos do outro é porque as nossas mãos estão mais frias. Calor flui do mais quente para o mais frio. A felicidade flui para a infelicidade. O amor flui para o ódio. O positivo flui para o negativo.


Procure sempre nos relacionamentos as situações mais próximas, para que a energia não flua só para o outro e você ficar sem ela.



 
 
Direitos Reservados