ENSAIOS de Carlos Kaliban
DE QUE SE ALIMENTA O AMOR?

O Amor que me refiro não é o "Amor Universal". É o amor entre duas pessoas, de um casal, de companheiros, de namorados ou qualquer que seja a situação semelhante.

O Amor precisa de alimento? Sou de opinião que precisa. Precisa ser alimentado de energia, pois sem ela, nenhum ser vivo existe. Nem mesmo as demais coisas, que não o homem, existem sem energia.

Mas de que se alimenta o Amor?

De contato físico? De carinho? De beijos? De sexo?

De um olhar a dois em silêncio? Olhos nos olhos? Olhos que mergulham na imensidão da alma?

De palavras? Ditas como susurro ao pé do ouvido? De palavras especiais, escolhidas em uma plateleira lá dentro do coração? De palavras de conforto? De palavras sinceras?

De presença? Daquela certeza de se estar alí, ao lado do outro e de que o outro está aqui, ao nosso lado? Da presença inquestionável, apesar da distância? Da presença que não escolhe local ou situação e que quer sempre estar simplesmente "presente"?

Da unidade? Daquela certeza de que Deus une os dois? Da união das mentes, dos espíritos e das almas?

Da luta e do esforço em seguir juntos um mesmo caminho? Da perseverança sempre presente nos guerreiros e que transforma as pessoas em seres melhores? Da conquista, palmo a palmo, dia a dia, com esperança de tudo conseguir?

Ou será que o Amor se alimenta da fé? Daquela certeza que tudo acontecerá de bom? De que o futuro sempre reserva bons momentos e ocasiões de felicidade? Da fé indiscutível de duas pessoas que acreditam no Amor, no seu Amor e no Amor do outro?

Mas, tenho certeza de uma coisa: O Amor tem de ser alimentado. De colherzinha, fazendo aviãozinho, dentro da boquinha e com todo carinho. O importante é nunca esquecer de alimentá-lo, com frequência e com dedicação. Se os dois agirem assim, e como acredito nisto, o Amor não acaba nunca!!!!

 
 
Direitos Reservados