ENSAIOS de Carlos Kaliban
PERDA E SAUDADE

Muito se fala na “dor da perda”. Quando um ente querido vai embora, seja pela morte ou pelo término de uma relação, temos o costume de sentir uma sensação de desconforto que designamos habitualmente de “dor da perda”. Quando pensamos e agimos desta forma damos força a uma imagem que nos lança ao sofrimento e que reforça o nosso lado negativo.

Podemos modificar isto de uma forma bem simples. Transformando esta dor em algo saudável e bom. Se prestarmos bem a atenção, esta suposta dor pode ser simplesmente “saudades”. Alguém pode dizer que saudade é negativo? Creio que não. Saudade significa que você está lembrando alguém pela qual você se importa, quer estar junto e quer cuidar dela. Saudade lembra um desejo que às vezes sentimos ser impossível de ser realizado. Quando pensamos assim, sofremos. Mas podemos pensar diferente: “Tudo pode ser realizado!”. Não só devemos acreditar nisto, mas devemos nos esforçar para entender como é possível.

Sempre podemos estar junto a alguém que está longe. Em quaisquer circunstâncias é possível, através do poder do amor. Através de conexões que estabelecemos. Estou me referindo no estar juntos aqui e agora sem limitações de tempo ou de espaço. Onde seja que o outro esteja você pode estar com ele, intimamente ligado. Mas não seja um peso e sim um bálsamo para o outro. Leve só o seu lado feliz e positivo. Dê prazer ao outro e não sensações desagradáveis. Seja carinhoso, amoroso e gentil. Não exija, apenas peça da forma mais sutil que puder. A ligação permanecerá se você for amoroso, mas se for agressivo, possessivo e impaciente, será muito difícil manter um contato real e duradouro.
Também é possível o reencontro no futuro, podemos dizer “fisicamente”, no caso de uma separação ou mesmo de uma morte.

Se ambas as pessoas estão vivas, porque não? Se elas quiserem isto, se desejarem isto, por que não? Tudo pode ser revertido se forem colocados de lado os orgulhos e os condicionamentos que escravizam. Estamos vivos para sermos felizes e às vezes colocamos a felicidade fora utilizando motivos banais, mais que acreditamos ser de “real importância”. Ignorantes e estúpidos somos nós. Queremos dar significado às coisas que estão além de nossa compreensão e instituímos regras e verdades às quais nos agarramos com convicção. Mesmo que estes pesos estejam acorrentados aos nossos corpos e que nos levem às profundezas de um oceano sombrio.

Se o outro não estiver mais aqui entre os vivos, porque não acreditar que existe vida depois da morte? Se tivermos fé, o tempo vai fazer com que possamos nos reunir novamente. Mas, é preciso que os laços sejam mantidos. A oração tem um poder muito grande de manter estes laços e estas conexões.

A saudade nos dá esperança. A saudade é otimista e ela nos conduz para a pessoa que é o motivo de nossa saudade. Nos leva para lá e nos mantém lá. A saudade é um sentimento. A saudade é uma coisa boa, desde que não a associemos a qualquer dor. Veja o lado feliz e positivo da saudade: Você quer estar junto. Você lembra os bons momentos. Você sente que continua amando mesmo que distante. Então, porque “dor da perda”, se nós podemos ser felizes na “saudade”?

Sinta saudade! Mas não sinta dor. Abrace o seu ente querido com muita alegria, mesmo que ele esteja distante. Diga a ele que você o ama e que deseja um dia, o mais próximo possível, estar com ele. Chore se desejar, mas chore de alegria por amar esse alguém e por desejar estar com ele. Vivendo intensamente o sentimento da saudade, de forma sadia e positiva, nos livramos do peso daquilo que se chama “dor da perda”.

Não existe a perda quando se trata de pessoas. Podemos ter um objeto e dizer “isso é meu” e podemos um dia perdê-lo. Mas nunca perdemos uma pessoa porque não podemos “possuir” uma pessoa. A sensação de possuir uma pessoa é doentia e desprovida de qualquer realidade. Não possuímos pessoas, apenas vivemos com elas ou compartilhamos suas presenças. Se não as possuímos, não as podemos perder. Sempre estaremos com elas no nosso coração e enquanto houver saudade existe uma chama positiva e uma energia que nos impulsiona para elas, para os seres amados, onde quer que eles se encontrem. Entre nós, neste pequeno planeta ou em outra dimensão, mesmo que não consigamos compreender isso.

Sejam todos felizes! Sintam “saudades” e vivam o amor!

 

 
 
Direitos Reservados